quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Partido

Esperei tanto para revê-lo
Como pôde fazer isso comigo?
Agora sinto falta por não mais tê-lo
Quem fará a sombra do meu abrigo?

Sei que aqui não está mais
Por culpa da espécie mais inteligente da Terra
A qual anseia tanto por paz
Mas continua produzindo guerra

Chega a me apertar o coração
Por saber o quanto você deve ter lutado
Só me resta lhe pedir perdão
Por não poder estar ao seu lado

Um pedaço de seu corpo
Em minhas mãos segurei
E vendo você ali morto
Rios de lágrimas chorei

Você que na direção apontava
Para um lindo céu anil
Dias de Sol aproveitava
Vá em paz pau-brasil!
(Isloanne Araujo)

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. ouwww ... desse eu gostei mais!
    Parabéns! ^^

    Beijo Lolozinho!

    ResponderExcluir
  3. Fantástico! Impressionante!
    Parabéns Islou...

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o comentário de Marcela Bragaia, a frase do nietzsche se encaixa muito bem no tema do poema. E até quando os seres humanos vão se achar donos da terra? Seres humanos fazem parte do sistema natural, mas se continuar assim a seleção natural se encarregará que não faça mais parte. Islou parabéns pelo uso das rimas. Ficaram muito boas. E o poema tbm tá bastante carregado de emoção, sem se tornar piegas. Muito bom cara.

    ResponderExcluir
  5. Nesta, mais do nunca, você arrebentou!Sensacional!

    ResponderExcluir
  6. lindissimo o poema...e muito valido mesmo a frase que a marcela comentou, vou pega-la como meta.
    Mas obs: já salvamos o pau brasil! hahaha

    ResponderExcluir